Central de Marcação: (21) 2493-8561

Catarata

A Catarata é o nome dado para a opacificação do Cristalino. Geralmente, está relacionada ao processo de envelhecimento do olho e, por isso, é mais comum em pessoas acima de 60 anos.

Quais são os tipos de catarata?

A catarata pode acometer qualquer faixa etária. Existem diversos tipos de catarata: traumática, infantil, congênita, senil, relacionada ao uso de medicamentos e colírios, diabética, etc. A catarata mais comum é a catarata senil que acomete indivíduos, em geral, acima dos 60 anos. Ocorre de maneira lenta e progressiva. Está relacionada ao envelhecimento, estilo de vida e fatores genéticos.

 

Como sei se tenho catarata?

Os sintomas mais comuns são:

  • Diminuição da visão em algumas situações do dia a dia, principalmente em condições de baixa luminosidade.
  • Os óculos podem parecer fracos ou mudar o “grau” com mais rapidez. Apesar da piora, geralmente da visão de longe, a visão para perto pode melhorar.
  • Diminuição do contraste e alteração da percepção das cores, maior sensibilidade à luz e visão dupla.

 

A consulta oftalmológica detecta a presença de catarata e a necessidade de tratamento.

 

Diagnóstico

O diagnóstico de catarata é realizado na consulta oftalmológica de rotina, através da medida da acuidade visual e exame de biomicroscopia do segmento

 

Quais exames oftalmológicos são necessários?

Para que a cirurgia de catarata seja realizada com segurança e maior chance de sucesso, o exame oftalmológico detalhado  e exames complementares antes da cirurgia são essenciais.

  • Tomografia da Córnea (Galilei): Avalia a curvatura e a espessura da córnea. Fornece dados importantes que auxiliam na escolha da lente intraocular.
  • Microscopia especular da córnea Avalia a camada mais interna (endotélio) da córnea. Ele fornece a contagem de células endoteliais que são as responsáveis pela transparência da córnea. Pacientes que apresentam baixa contagem endotelial devem realizar esse exame periodicamente.
  • Biometria: Realiza o cálculo do grau da lente intraocular a ser implantada. A biometria óptica (IOL Master – Zeiss) é o método mais preciso para cálculo da lente intraocular
  • Mapeamento de retina: Avalia a existência e gravidade de doenças da retina (diabetes e hipertensão arterial sistêmica). É muito importante para identificar (e tratar) lesões da retina.
  • Ultrassonografia Ocular: Permite avaliar as estruturas posteriores (retina e vítreo) em pacientes com cataratas mais avançadas que impedem a visualização através do mapeamento de retina.

 

Qual o tratamento?

O único tratamento disponível para a catarata, no momento, é a cirurgia. O cristalino opaco é removido e uma lente intraocular é implantada.

 

Como é a cirurgia?

A cirurgia de catarata é considerada uma das mais seguras no mundo devido às novas técnicas cirúrgicas assim como ao grande avanço tecnológico dos aparelhos utilizados e das lentes intraoculares. A cirurgia é de extrema complexidade e deve ser feita sempre por um especialista nesta área.

 

Qual o melhor tipo de lente intraocular?

Existem diversos tipos de lentes intraoculares que podem substituir o cristalino opaco. A escolha da lente deve ser individualizada, de acordo com a avaliação pré operatória. O estilo de vida, hobbies e trabalho também são considerados nesta escolha. As principais lentes disponíveis são as monofocais, tóricas (para corrigir altos astigmatismos), multifocais e multifocais tóricas.

Saiba mais sobre as lentes intraoculares clicando aqui.

 

Como é o pós-operatório? Quais os cuidados devo tomar neste período?

O uso de medicações (antibióticos e antinflamatórios) e tempo de retorno as atividade cotidianas é determinado pelo oftalmologista. Recomenda-se evitar atividades físicas pesadas, mergulho em mar e piscina, e coçar os olhos.

A cirurgia de catarata evoluiu muito nas últimas duas décadas. A taxa de complicações pós operatórias diminuiu em decorrência da evolução da técnica e das lentes intra oculares. Complicações acontecem em uma porcentagem muito pequena dos pacientes submetidos a cirurgia.

A cirurgia trás benefícios indiretos como a melhora da qualidade de vida dos pacientes,  redução do risco de queda e fraturas e aumento da longevidade dos pacientes.

É muito importante seguir as orientações do oftalmologista. Converse bastante com seu médico. Tire suas dúvidas sobre o procedimento e o pós operatório.

Resultado de Exames

Prof. Dr. Gustavo Novais

Córnea & Refrativa

Director of communications PanCornea Society (2015-2016).

Diretor de cursos da Sociedade Brasileira de Oftalmologia (2015-2016).

Doutor em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo/ Escola Paulista de Medicina (Unifesp/EPM).

Chefe do setor de córnea da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNI-RIO).

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNI-RIO).

Residência médica em Oftalmologia no Hospital Municipal da Piedade/RJ.

Fellowship em córnea e doenças externas – McGill University, Montreal/Canadá.

Fellowship em córnea e doenças externas – Hospital Oftalmológico de Sorocaba/SP.

Observership em córnea e doenças externas – Massachusetts Eye and Ear Infirmary- Harvard- Boston/EUA.

Observership em córnea e doenças externas – Bascom Palmer Eye Institute – Miami/EUA.

Prof. Dr. Eduardo Novais

Retina Cirúrgica/Clínica & Mácula

• Pós-doutorado pelo New England Eye Center at Tufts School of Medicine, Boston/Estados Unidos.

• Doutorado em Oftalmologia (Universidade Federal de São Paulo / Escola Paulista de Medicina – UNIFESP/EPM).

• Especialista em retina cirúrgica e clínica (UNIFESP/EPM).

• Oftalmologista formado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e pelo International Council of Ophthalmology (ICO).

• Fellowship no The Henry C. Witelson Ocular Pathology Laboratory – McGill University, Montreal/Canadá.

• Membro da equipe de pesquisa clínica em Oftalmologia da Unifesp/EPM, liderada pelo Prof. Dr. Rubens Belfort Jr. e Profa. Dra. Cristina Muccioli.

• Membro da Academia Brasileira de Oftalmologia (ABO).
Membro do programa “Jovens lideranças médicas” da Academia Nacional de Medicina.

• Membro Titular da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo.